quinta-feira, 24 de agosto de 2017

RESENHA A CASA DE PAPEL - CARLOS MARÍA RODRÍGUEZ


casa-de-papel

A Casa de Papel - Uma incrível história da paixão desmedida pelos livros
                                             

60050_262
   
   Título: A Casa de Papel
   Autor: Carlos María Domínguez
   Editora: Realejo                                               
   Páginas: 96
   ISBN: 9788589362658
   Ano: 2014

   Onde Comprar: Estante Virtual - Realejo 

   Sinopse: A Casa de Papel  é um  romance de  apenas     96    páginas do  escritor argentino Carlos    María   Domínguez,  publicado em 2014  pela  editora  Realejo, tornou-se um best-  seller com 150 mil      exemplares  vendidos. A obra pode  ser lida  num único    fôlego,  prende o leitor do início ao fim, um suspense    que  mistura loucura e paixão pelos livros. Narrado em  primeira  pessoa, a trama começa na primavera de  1998 em Cambridge,  quando Bluma Lennon, uma professora de espanhol é atropelada  e acaba morrendo. Ao que tudo indica a causa da morte foi um  livro de poemas de Emily Dickinson que ela lia quando o acidente  aconteceu.   

            

   Um professor e ex-amante de Bluma acaba se envolvendo na trama quando tem contato com um livro manchado de cimento e uma intrigante dedicatória de Bluma, a obra trata-se de A Linha da Sombra de Joseph Conrad. Intrigado, o professor viaja para Buenos Aires à procura de um estranho bibliófilo que tem algum tipo de ligação com Bluma.

 Na Argentina o professor encontra Delgado, o obscuro colecionador de livros que ele procurava. O bibliófilo passa a contar ao professor sobre a vida de Carlos Brauer, um homem que se tornara insano por causa da literatura. Ele mergulha na loucura pelos livros e não encontra limites ao seu desejo de conhecimento e de reunir obras para construir uma casa feita de cimento, livros e tijolos.

 Os livros tornam-se o ar que ele respira, ele se desfaz dos seus bens para mergulhar nessa jornada insana. Todos os cômodos da casa de praia estão abarrotados de livros: manuscritos, pergaminhos, livros antigos ocupam até o banheiro, Brauer abre mão de todos os confortos que uma casa pode oferecer para preservar os seus livros. Com o tempo ele acaba sendo tragado pelos milhares de títulos da sua biblioteca.  
Resenha:  A Casa de Papel é um livro curto, mas que diz muito em poucas palavras. Um dos grandes segredos de um bom escritor é a concisão, e Carlos María Domínguez desenvolve isso com maestria. É uma leitura leve e dinâmica, uma escrita de fácil compreensão, e que possui informações culturais riquíssimas. Vários livros e autores são citados fazendo o leitor viajar por cada um deles. A obra está repleta de subtextos.
 O livro é fantástico, revela um amor extraordinário pelas bibliotecas e pela leitura. Um suspense sensacional que envolve metafísica levando o leitor entre a realidade e a fantasia. Bluma é uma personagem que foi envolvida nessa trama onde as histórias dos livros parecem ter tomado vida.
 Altamente recomendável por que se lê em poucas horas, faz mergulhar na história, uma busca que envolve pessoas, livros e um reconhecimento maior pela literatura. É uma homenagem a tantos bibliófilos, assim como o saudoso José Mindlin que chegou a possuir mais de 40 mil livros.
14

A edição da Realejo ficou muito boa, o papel é leve e de boa qualidade tornando a leitura dinâmica, a capa é bem sugestiva, não encontrei erros de diagramação ou de Gramática, realmente ficou sensacional. 
Opinião: A Casa de papel mostra o quanto os livros revolucionam as vidas das pessoas, é um livro que traz empatia e identificação, mas também desespero e agonia. Os livros podem ser perigosos, mas também podem ser encantadores, acolhedores e edificantes.  Ler livros é um ato solitário, mas aqueles que se dedicam a essa jornada têm suas vidas transformadas para sempre.  
 Depois da leitura da obra de Domínguez ninguém sairá indiferente, ou vai amar ainda mais os livros ou passará respeitar a literatura. Uma das maiores armas contra o mundo em que vivemos é o livro, ele é uma das grandes curas da humanidade. A arte aproxima as pessoas, e a literatura pode ser o grande elo entre muitos.
carlos-maria-dominguez-615
O Autor: Carlos María Domínguez nasceu em Buenos Aires, Argentina, em 23 de abril de 1955,  é escritor, editor e jornalista argentino. Vive em Montevidéu, Uruguai, desde 1989. Ele começou como jornalista na revista Crisis de Buenos Aires, da qual ele era secretário editorial e diretor. Em Montevidéu, foi editor-chefe da Brecha Weekly, onde também colabora com  páginas literárias e editor do semanário Pesquisa. Ele também exerce críticas literárias no Suplemento Cultural do jornal El País. Ele é autor de mais de 20 livros, nos gêneros de romance, história curta, cronogramas de viagem, biografias e duas peças.

Nenhum comentário: