domingo, 23 de abril de 2017

HISTÓRIA DO LIVRO


Hoje 23 de abril é o Dia Mundial do Livro, e nada melhor do que inaugurar um novo marcador no meu blog "O que é Literatura" que um dia se tornará um livro. Nessa primeira postagem falarei sobre a história do livro. Homenagear o livro em 23 de abril é homenagear também três dos maiores escritores de todos os tempos, pois se comemora nessa data, o nascimento (1564) e a morte (1616) de William Shakespeare; a morte (1616) de Miguel de Cervantes e o nascimento, em 1899, de Vladimir Nabokov.






A origem da palavra livro vem da planta que se retira o papiro, que era liberada, livrada (latim libere, livre) do restante da planta, daí surge a palavra liber libri, em latim, e posteriormente livro em português. Aos poucos o papiro foi substituído pelo pergaminho que era fabricado do couro bovino ou de outros animais. A vantagem do pergaminho é que ele se conserva mais ao longo do tempo. O nome pergaminho deriva de cidade de Pérgamo da Ásia Menor, onde teria sido inventado e era muito usado. Depois ele foi substituído pelo códex que era uma compilação de páginas, não mais um rolo. O códex surgiu entre os gregos como forma de codificar as leis, mas foi aperfeiçoado pelos romanos nos primeiros anos da Era Cristã.


Uma consequência fundamental do códice é que ele faz com que se comece a pensar no livro como objeto, identificando definitivamente a obra com o livro. Com a invenção da imprensa por Gutemberg o livro alcançou as massas, o primeiro livro impresso foi a Bíblia. Hoje o livro moderno é composto por páginas encadernadas, impresso e/ou imagens e que forma uma publicação unitária (ou foi concebido como tal) ou a parte principal de um trabalho literário, científico ou outro, formando um volume. Em ciência da informação, o livro é chamado monografia, para distingui-lo de outros tipos de publicações como revistas, periódicos, teses, tesauros, etc.


O livro é um produto intelectual e, como tal, encerra conhecimento e expressões individuais ou coletivas. Mas também é nos dias de hoje um produto de consumo, um bem. Sendo assim, a parte final de sua produção é realizada por meios industriais (impressão e distribuição). A tarefa de criar um conteúdo passível de ser transformado em livro é tarefa do autor. Já a produção dos livros, no que concerne a transformar os originais num produto comercializável, é tarefa do editor, em geral contratado por uma editora. A coleta, a organização e a indexação de coleções de livros, por outro lado, é típica do bibliotecário.

Finalmente, destaca-se também o livreiro, cuja função principal é disponibilizar os livros editados ao público em geral, vendendo-os nas livrarias generalistas ou de especialidade. Compete também ao livreiro todo o trabalho de pesquisa que vá ao encontro da vontade dos leitores. Ainda temos a última invenção do livro, os E-books, leituras digitais que podem ser acessadas de tablets, computadores e celulares.


planta papiro


       papiro egípicio


pergaminho


códex



imprensa de Gutenberg


        Bíblia de Gutenberg



       livros modernos


tablet




             

   notebook



celular

Nenhum comentário: